O Kincora Portugu
ês? 

30 July 2003;  revised 1 December 2003/ 14 January 2004

Recent reports from Portugal  –    1 2 3 4 5 6 7 8    have a familiar ring.

For the revised English version of this article, click
here

O escândalo sexual mais sério na história da Europa contemporânea talvez seja a crise enfrentada hoje pelo líder do Partido Socialista Português, Eduardo Ferro Rodrigues, e o seu afilhado político Paulo Pedroso, 38 anos, ex-Ministro do Trabalho.

Pedroso é um político jovem que goza de alta consideração e destaque e é frequentemente mencionado como o herdeiro natural da liderança do Partido Socialista e um futuro Primeiro-Ministro.  No entanto, foi preso em 23 de Maio de 2003 e permaneceu encarcerado durante mais de 4 meses, devido a 15 acusações de abuso sexual de adolescentes, ex-internos da rede pública de orfanatos Casa Pia.  Em Outubro de 2003, um Tribunal de Recursos de Lisboa libertou Pedroso, cujos colegas o reencaminharam nas suas funções parlamentares.  A sombra das acusações, porém, ainda paira sobre seu futuro político. 


Clique na imagem para PDF (525kb) Dezembro 2010 

O nome do próprio Ferro Rodrigues chegou a ser citado nos documentos que levaram à prisão de Pedroso, o queo levou a afirmar que esperava acusações contra si próprio.  Um jornal português chegou a publicar que Ferro Rodrigues teria estado presente e testemunhado um caso de abuso de garotos, porém que não teria participado do acto em si.

Este escândalo não é recente.  Durante meses, desde a prisão, em Novembro de 2002, de um antigo servidor da Casa Pia, Carlos Silvino, acusado de estruprar  menores e de encaminhá-los a outros pedófilos, Portugal vem sendo abalado por boatos de que os orfanatos da Casa Pia estiveram infiltrados por uma rede de pedofilia.  Essa rede forneceria garotos para abuso sexual a políticos e celebridades.  Carlos Cruz, um dos mais famosos apresentadores de TV em Portugal, já foi preso, assim como Jorge Ritto, antigo embaixador na África do Sul.  Também presos e aguardando julgamento estão o um ex-médico da instituição (João Ferreira Diniz), e o antigo director financeiro dos orfanatos (Manuel Abrantes).  Todos são acusados de abuso sexual de menores.

A pergunta que hoje domina os boatos políticos em Portugal é:  são culpados ou tornaram-se vítimas de uma caça às bruxas?

O líder socialista Ferro Rodrigues defende a segunda opção, pelo menos no que diz respeito a Pedroso.  Numa declaração distribuída à imprensa na época da prisão de Pedroso,  prometeu opôr-se ao que descrevia como uma campanha de falsas acusações.  “Quero deixar claro:  a nossa luta será serena mas determinada e dirige-se – e sempre se dirigirá – contra os responsáveis por essa difamação, qualquer que seja o seu objectivo”, afirmou Rodrigues.  O próprio Pedroso protestou ser vítima de uma calúnia. “Nunca participei de qualquer acto de pedofilia nem de nada semelhante”, declarou numa entrevista coletiva nas vésperas da sua prisão.  Agora que voltou ao parlamento, continua a manter a sua declaração de total inocência quanto a todas as acusações.  Os que o conhecem bem não têm nenhuma dúvida: trata-se de um homem inocente que sofre acusações injustas.

Pedroso é apoiado não só por Rodrigues, mas também por seu predecessor, o antigo líder socialista e ex-Primeiro Ministro António Guterres.  Amigo de Tony Blair, Guterres prometeu testemunhar a favor de Pedroso, se necessário.

Enquanto o escândalo abala Portugal, pode ser oportuno a rever sua possível origem histórica, uma vez que os relatos portugueses recentes têm um som familiar:  a ideia da existência de uma rede de pedofilia ligada a um orfanato para fornecer garotos a políticos do alto escalão originou-se na Grã-Bretanha.  Era apenas uma ideia, que apareceu pela primeira vez em 1980 com relação ao albergue de menores trabalhadores de Kincora, em Belfast.  A ideia ressurgiu em 1991, como um significativo desdobramento do escândalo do País de Gales, eventualmente levado aos tribunais.  Na revista Scallywag, hoje não mais publicada, o jornalista Simon Regan escreveu uma reportagem que acusava políticos de alto escalão pelo abuso sexual de garotos do orfanato de Bryn Estyn.

Em ambos os casos, havia um fundo de verdade que acabou surgindo tanto em Kincora quanto em Bryn Estyn:  um ou dois funcionários das instituições haviam realmente praticado abusos sexuais.  Mas a ideia de uma rede de pedofilia que forneceria rapazinhos a políticos sempre foi uma fantasia, tanto no caso de Kincora como no do País de Gales.   

O jornalista que escreveu o livro mais completo sobre Kincora, Chris Moore, ex- repórter da BBC, confirmou.  Embora Moore acreditasse piamente e aceitasse sem reservas quase todas as alegações de abuso sexual, repudiou com firmeza os elementos mais sensacionalistas da história de Kincora na abertura de seu livro:

Desde 1980 o nome Kincora encontra-se associado na memória do público com o abuso homossexual de rapazes ali abrigados.  Devido, porém, à publicação de algumas versões fantasiosas dos acontecimentos, surgiram várias concepções errôneas.  Por exemplo, a palavra “prostituição” foi usada relativamente aos abusos na instituição de Belfast, mas fica claro, a partir dos depoimentos de antigos residentes, que essa acusação não tem fundamento.  Em seus depoimentos às autoridades, as vítimas acusaram apenas quatro funcionários de Kincora, que foram depois condenados no tribunal.  Alguns acusaram funcionários de outras instituições públicas, que também foram condenados.  Ninguém alegou ter sido entregue a outros homens para actividades sexuais, ou que homens vinham a Kincora para manter relações sexuais com rapazes ali internados (Chris Moore, The Kincora Scandal: Political Cover-Up and Intrigue in Northern Ireland, Marino Books, Dublin, 1996, p. 7)

Enquanto a polícia portugesa investiga a suposta rede de pedofilia no país (que, como as redes imaginárias alvo das histórias de Kincora e do País deGales, teria sido mantida em segredo durante anos pela polícia e pelos políticos que sabiam de sua existência), a história sugere que cautela seja a palavra de ordem.

É evidente que se poderá dar o caso de haver plausibilidade em algumas das acusações. Mas o facto de Pedroso ter sido identificado pelo seu primeiro acusador apenas depois de lhe terem sido mostrados alguns retratos de políticos, quando posto ao lado de outras provas descobertaspelo jornalista de investigação português, Jorge Van Krieken, sugere convincentemente ele ser, tal como o afirma, a vítima inocente de uma série de falsas acusações.


Onde quer que esteja a verdade, recordemos as lições de Kincora e do País de Gales:  embora as acusações possam, teoricamente, ser provadas, não podem estar apoiadas apenas em acusações – independemente da sua quantidade.  A segunda lição é:  redes de pedofilia baseadas em orfanatos e servindo os gostos sexuais pervertidos de políticos importantes tendem a existir mais na imaginação do que na realidade.

A mais segura conclusão a que se pode chegar hoje em relação ao antigo Ministro do Trabalho Paulo Pedroso e a outras celebridades portuguesas que também foram presas é que são completamente inocentes.

A dificuldade, porém, é que hoje a imprensa enfoca o caso com uma publicidade sensacionalista mais baseada em boatos do que em pesquisas, o que dificulta sobremaneira que a maioria das pessoas e até os organismos judiciais, cheguem a essas conclusões e ajam de acordo com elas. 

 ……………………………………………………………………

© Richard Webster, 2003 / 2004

www.richardwebster.net

TOP


Home Introduction Sampler Search Contact